Marvel vs Capcom Infinite - Análise


Uma decepção infinita.
Lançado em 2011, Marvel vs Capcom 3 marcava o mundo dos games com a mudança completa do maior crossover de luta dos games, desde os gráficos que de sprites 2D foram a moldes 3D, cenários bem detalhados e repletos de referências aos jogos e quadrinhos de ambas as franquias até o mais polêmico, a jogabilidade que mudou de três botões para soco e chute para algo mais simplificado e amigável para novos jogadores.

O ápice da série foi alcançado na geração passada
Eis então que seis anos depois, temos um spin-off da série, já que não carrega o número de continuação da série principal, chamado de Marvel vs Capcom Infinite, o mais novo jogo da série Vs que traz novamente os personagens e mascotes de ambas as empresas para a porradaria, e com mudanças significativas para a série.
Grande parte do elenco do terceiro game é reaproveitado no jogo, com apenas algumas mudanças de texturas e atualizações nas medidas. Enquanto temos algumas novidades como X da série Megaman X, Jedah da série Darkstalkers do lado da Capcom e, Gamora dos Guardiões da Galáxia e Ultron entram do lado da Marvel.

Personagens clássicos se juntam a alguns personagens muito solicitados pelos fãs
Os gráficos são feios, não para um jogo de 2017, mas sim para um jogo de uma série consagrada pela sua qualidade e detalhes nos personagens e cenários. Temos alguns personagens muito bem renderizados e cheios de detalhes, enquanto temos cenários malfeitos e sem carisma, fazendo pouco jus ao nome da série. Os menus são simples e parecem mais de um jogo Mugen - uma espécie de ferramenta de criação de jogos de luta para computador, onde você pode usar assets, personagens, fontes, jogabilidade, de outras séries para criar um jogo novo -, mal feito do que de um jogo AAA.
A jogabilidade está mais simplificada que qualquer outro jogo da série, sendo necessário apenas ficar apertando um botão para criar um combo, porém, com a disponibilidade de criar ramificações de combos diferentes. Ela se torna interessante e divertida, uma decisão com certeza pensada no equilíbrio da jogatina competitiva e nos novos jogadores. A maioria dos personagens, que retornaram para a série, ganharam variações dos golpes com adição ou remoção de alguns detalhes para melhor se enquadrar no novo esquema de jogabilidade. Sobre os novos personagens, seus golpes são de acordo com a sua proposta e não decepcionam, contudo, por terem sido criados do zero ainda precisam de um melhor balanceamento.
O game traz de volta o formato de dois jogadores para cada jogador, alegando que as gemas do infinito, que retornam como parte crítica de gameplay e história, trazem um balanceamento natural para a jogabilidade geral.

Gráficos platinados demais, jogabilidade simplificada ao extremo e um hub feito nas coxas é o resultado do milkshake chamado Marvel vs Capcom Infinite
A grande novidade é o modo história que traz Ultron fundido a Sigma, se auto intitulado de Ultron-Sigma (tcharam!), e com duas gemas do infinito: realidade e espaço, fundem os universos Marvel e Capcom, criando lugares completamente novos. Explicando por exemplo, como o cenário que seria de Megaman X, que está com várias faixas arco-íris e estátuas de guerreiros asgardianos no meio da paisagem urbana.
Resta então aos Vingadores, com a ajuda de alguns heróis da Capcom, encontrar um meio de equilibrar o jogo encontrando as gemas do infinito, que ainda não estão em posse do vilão, para derrotá-lo e enfim trazer a paz, além de reverter a fusão dos universos.
A premissa é interessante, porém, falha miseravelmente na sua execução.
Se os gráficos já são, no mínimo, decepcionantes para um jogo da série, as cenas de história e interação são piores ainda, aliadas à falha no sincronismo da dublagem (alguns personagens sequer mexem a boca quando falam) e a sensação é que o jogo foi feito da noite para o dia, com o roteiro feito por qualquer um, menos um roteirista capacitado para o tal.
Em alguns pontos, as falas são ridículas, chegando ao ponto de dar vergonha de tão pastelões que são. A única motivação para continuar a assisti-las é saber qual herói se juntará ao time ou qual easter egg irão colocar na cena.
Alguns pontos da narrativa são interessantes e valem a pena, no entanto, são poucas as ocasiões que as cenas não são desperdiçadas com os diálogos rasos e bobos, que só tem o propósito de ser fã-service ou só para gastar tempo.

O modo história é risível mesmo para os padrões da série, chega a dar saudade das imagens paradas com textos de explicação
O modo versus é muito bom, proporcionando boas horas de diversão, contudo, com a limitação de personagens o que acaba se tornando enjoativo em poucas horas. A Capcom, como sempre, traz personagens de DLC, que incluem: Venom e Sigma, além de outros. Isso acaba dando a impressão, mais uma vez, que o jogo foi lançado de forma quebrada, com o conteúdo incompleto.
A maior polêmica de Marvel vs Capcom Infinite é a ausência de personagens clássicos da Marvel, como Wolverine, X-23, Cyclope e outros X-Men, que marcaram outros jogos da franquia. O motivo seria uma exigência da Marvel por não possuir os direitos dos personagens no cinema, para assim abafar e inutilizar as imagens dos mutantes a todo custo.
Um jogo que tinha tudo para ser um grande título da série acaba por se tornar o mais dispensável com gráficos feios, história mal escrita, diálogos bobocas e sem personagens clássicos da franquia. Apenas tendo boa jogabilidade para salva-lo.

À esquerda o que a Capcom achou que os fãs aceitariam como os gráficos do jogo. À direita, o refinamento dado a uma das personagens mais queridas dos games após protestos dos fãs.
Recomendo a todos que queiram um bom crossover da série, Marvel vc Capcom 2 para Dreamcast, que é o mais próximo da experiência plena de um arcade em um console de mesa, já não foi desta vez que vamos nos esbaldar com a porradaria fantástica com prazer.
04/10

Marvel vs Capcom Infinite - Análise Marvel vs Capcom Infinite - Análise Reviewed by Pablo Novaera on terça-feira, março 13, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Related Posts No. (ex: 9)